ed98fddca52f1a6747eaO Hospital de Saúde Mental de Messejana está sem alguns medicamentos de alto custo, conforme denúncias de funcionários da unidade. Fontes apontaram que Antipsicóticos como Olanzapina e Quetiapina, medicações de maior valor, não têm previsão de chegada. A Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) informou que uma remessa deles é distribuída nesta quarta-feira, 14.

“Não nos informaram nenhum prazo e as famílias sofrem sem condição de comprar as medicações necessárias. É um risco e os pacientes acabam entrando em crise da doença, a espera já dura cerca de três semanas”, explica uma médica que não quis se identificar.

A falta de medicamentos é recorrente na unidade, segundo as denúncias, que apontam ainda carência de outras substâncias, como Paroxetina, Clorpromazina e Levomepromazina. O POVO Online entrou em contato com a Sesa, que explicou, em nota, que os antipsicóticos são repassados pelo Ministério da Saúde.

“Na última terça-feira, 13, esses medicamentos chegaram à Coordenadoria de Assistência Farmacêutica, que iniciou nesta quarta-feira, 14, a distribuição com os hospitais e unidades de atendimento de saúde mental, entre eles o Hospital de Saúde Mental de Messejana”, completa a secretaria.

Redação O POVO Online