FORTALEZA, CE, BRASIL, 26-09-2014: Cid Gomes, governador concede entrevista exclusiva na presidência do jornal O POVO. Governador Cid Gomes, em visita ao Grupo de Comunicação O POVO. (Foto: Fco Fontenele/O POVO)

FORTALEZA, CE, BRASIL, 26-09-2014: Cid Gomes, governador concede entrevista exclusiva na presidência do jornal O POVO. Governador Cid Gomes, em visita ao Grupo de Comunicação O POVO. (Foto: Fco Fontenele/O POVO)

Prefeitos, deputados, vereadores e militantes que integram o grupo ligado aos irmãos Ferreira Gomes podem decidir, na noite de hoje, se saem ou se ficam no Pros. O futuro político daqueles que comandam atualmente o governo estadual e a prefeitura de Fortaleza se arrasta há meses com a indefinição sobre qual partido eles devem se instalar para a eleição do ano que vem.

O PDT nacional já formalizou convite e aguarda definição. Conforme O POVO apurou, o partido ofereceu candidatura presidencial ao grupo como forma de cortejo. “Eles admiram o grupo político do Ceará”, afirmou um correligionário. Legendas como PP e PTB também fizeram convite, como O POVO mostrou em julho deste ano.

O prefeito Roberto Cláudio (Pros), principal interessado na mudança de partido já que deve disputar a reeleição em 2016, afirmou que não é garantia que o grupo defina hoje, mas que existe a possibilidade. “Toda decisão deve ser coletiva e democrática. Todo movimento que fizemos em grupo fizemos em bloco. Estamos juntando informações para compartilhar com a nossa bancada”.

A indefinição preocupa RC, tendo em vista que o pouco tempo de televisão na propaganda eleitoral do partido, dito nanico, poderia dificultar a viabilidade da reeleição. Sem o provável apoio do PT e o PMDB no ano que vem, o prefeito fica obrigado a buscar novos rumos que lhe dê melhores condições de disputa para a reeleição.

De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, vereador Salmito Filho (Pros), o movimento deverá ser feito em grupo, por isso a necessidade de vários encontros para dialogar com os correligionários. “Existe a possibilidade grande de nós sairmos para o PDT. O que está definido é que agiremos como grupo. Ou ficando no Pros ou indo para o PDT”.

Candidatura “viável”

O deputado Heitor Férrer (PDT), desafeto político dos Ferreira Gomes, voltou a declarar ser “estranha e constrangedora” a possível ida do grupo para o seu partido. “É uma convivência dificílima. A minha situação é bastante constrangedora”. O parlamentar criticou a possibilidade do partido receber o prefeito por estar “desprezando” a sua candidatura ao Executivo municipal. “Eles vindo, o PDT está dizendo que não tem interesse na nossa candidatura. É outro constrangimento porque estaria desprezando uma candidatura viável”. Em 2012, o deputado pedetista chegou em terceiro lugar na disputa pela prefeitura.