O Ceará tem 34 Municípios fora da Região semiárida, o que traz prejuízos aos produtores no momento da contratação de empréstimos bancários principalmente junto aos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), que têm direcionamento prioritário para o semiárido. A Constituição de 1988 prevê 50% da aplicação do fundo no financiamento de setores produtivos de municípios desta região e políticas de convivência com a seca. O assunto será discutido na próxima reunião do Conselho Deliberativo da SUDENE, que acontece nesta quinta-feira, dia 27, em Recife-PE. A proposta de redimensionamento do Semiárido é apresentada pela Funceme em conjunto com o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), entidade aplicadora dos recursos do FNE.

Representando a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA, o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará- FAEC, Flávio Saboya participa da reunião, onde um dos assuntos foi o estudo sobre a classificação climática e o índice de aridez no semiárido feito pelos dois órgãos. Na ocasião, ele apresentou um abaixo assinado encabeçado pela FAEC e por diversas lideranças políticas e do setor produtivo, a começar pelo Governador Camilo Santana, pelos presidentes da FIEC, Beto Studart, da FECOMÉRCIO, Gastāo Bitencourt, da FETRAECE, dirigentes do Banco do Nordeste, Banco do Brasil, deputados estaduais Manoel Duca e Sérgio Aguiar e pelo próprio presidente da Funceme, Eduardo Martins, pedindo a inclusão dos Municípios cearenses na delimitação do semiárido Brasileiro.

A FAEC vem acompanhando atentamente o assunto, já tendo participado de audiências na Câmara Federal e na Assembleia Legislativa, e promovido inclusive, um debate sobre o tema, através do Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense- Agropacto, quando o Presidente da Funceme apresentou um estudo completo sobre a situação, disse Saboya. Logo após esse debate, a FAEC elaborou o documento que foi encaminhando em março deste ano ao Ministro da Integração Nacional, Hélder Barbalho, e agora, será submetido ao CONDEL. Saboya lembrou que os deputados Sérgio Aguiar (PDT) e Manoel Duca (PDT) também levaram o estudo ao ministro da Integração Nacional.

PARA ENTENDER
São três critérios para inclusão de municípios no Semiárido: média anual de precipitação inferior a 800 milímetros, risco de seca superior a 60% e índice de aridez inferior a 0,5. Para esse último item, o balanço hídrico levado em conta em 2005 é do período entre 1961 e 1990. Em novos cálculos, a Funceme adotou série histórica entre 1974 e 2016.

No Ceará, a rede de pluviômetros teve expansão na década de 1980. Por isso, os critérios com base nas chuvas até 1990 são considerados imprecisos, com menor quantidade de postos e maior concentração nas sedes dos municípios próximas da faixa de praia, explica Margareth Carvalho, supervisora do Núcleo de Recursos Ambientais da Funceme. Agora, é possível confirmar a condição de semiaridez à medida que os postos completam 30 anos de implantação, permitindo a análise da série histórica de chuvas em três décadas.

REUNIÃO ITINERANTE DA DIRETORIA DA CNA SERÁ NA PARAÍBA

Dia 28, na sede da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba -FAEPA, haverá mais uma , reunião da Diretoria Executiva da CNA com as Federações do Nordeste. Na pauta temas de caráter Administrativo e politico institucional da CNA, apresentação dos temas de interesse das Federações da Região frente às principais questões que preocupam a atividade Agropecuária regional do pais. O Presidente da FAEC, Flávio Saboya estará presente , ocasião em que apresentará o documento tema de debate na reunião da SUDENE.